Documental Teresina - Piauí

Família Gonçalves Dias

Era domingo, dia perfeito para reunir a família envolta da mesa e ver quem a gente não vê todo dia, dá a “bença vó, bença tio” abraços apertados, cheiro de comida caseira exalando da cozinha ao quintal e porta da rua. Foi bem assim que me deparei quando chegava a casa da família Gonçalves Dias.

Fui recebido pela Evree que logo me apresentou para todas as 35 pessoas da família que estavam naquela casa. Um longo corredor repleto de memórias, com uma cerâmica típica de casas do centro, várias plantas, porta-retratos que me levaram a anfitriã com seu vestido azul, a matriarca dona Belinha e era seu aniversário de 96 anos.

Tudo acontece: conversas das tias, as crianças correm, algumas sentadas na sala com a tv ligada no The Voice Kids, a mascote da casa latindo para mim rsrs. Em todos os cômodos um grupo conversando ou falando novas histórias.

Nessa data tão querida, pude observar e conhecer um pouco da vida dessa família. Daqui uns anos ou dias essa rotina, de domingo ir à casa da vó, acaba. Todas essas cenas se transformam e o que fica são as memórias carimbadas com essas fotos, pelo menos o recorte que eu dei para cada situação.

A cada trabalho coloco em mente: nossa rotina se transforma todo dia, nos mínimos detalhes algo muda, mesmo sendo imperceptível a olhos desatentos. Tem muito de mim ao registrar isso em outras famílias, me pego nas minhas lembranças de criança, adolescente, ao cuidar dos meus sobrinhos (que estão quase para me cuidar rs) hoje cuidando também da vó.

Caem lágrimas, mas de felicidade por esta aqui e observar como tudo muda. Tudo. Por isso registro, vivendo muito bem cada momento desses, seja a minha família ou a novas que encontro por esse caminho.